Estrelas numa tarde de verão

[Post originalmente publicado em CPR – A Reanimação da Escrita – o mote é a 7ª frase da 7ª página do 7º livro da minha estante: A Bruxa de Oz, de Gregory Maguire]

“Era som sem melodia – como música onírica, recordada pelo seu efeito, mas não pelas suas angústias e recuperações harmónicas.”

Entrava-lhe diretamente na alma, ignorando o ouvido, apoderando-se de um corpo pesado que dançava de forma quase cómica, solta, privado de qualquer coordenação. Os olhos, num estado de descontrolo, traíam o transe a que se abandonava sob o céu estrelado de uma tarde de verão, que o atraía para o abismo da felicidade extrema, sem limites nem barreiras.

Continue reading “Estrelas numa tarde de verão”

Advertisements

Terra perdida

Um grito dilacerante cortou a noite.

A princípio parecia apenas uma ilusão, o barulho de um bicho na copa de uma árvore, uma porta a mexer num andar mais distante. Ainda assim, foi o suficiente para o cérebro se manter alerta, tentando adivinhar a origem daquela perturbação que afastara o sono e, consigo, trouxera preocupação e receio. Continue reading “Terra perdida”

Boa sorte e até um dia

cropped-2017-02-10-07-04-37-1.jpg
Ao fim de todos aqueles anos, viu as paredes despidas, tal como no dia em que as vira pela primeira vez, um pouco mais sujas, cativeiros de memórias e de histórias irrecuperáveis pelo andar dos dias. O quadro em tons de vermelho e preto que correra meio mundo para adquirir estava já embalado, a caminho do seu novo destino: um armazém nos arredores da cidade, suspenso no tempo até que lhe fosse indicado um novo rumo.

Continue reading “Boa sorte e até um dia”

Balance

(English version below)

Chega dezembro, aí meados do mês, e invariavelmente começam os balanços do ano que passou. Listam-se as coisas boas que aconteceram, as conquistas que se alcançaram, as viagens que se fizeram e tenta-se que superem os feitos desagradáveis que pautaram as nossas vidas.

Chega o dia 14 de dezembro, o dia do meu aniversário e, invariavelmente, dou o meu ano por terminado, não sem antes fazer esse mesmo balanço. Penso-o e escrevo-o ou não. E começa um novo ciclo no qual, 365 dias depois, reflito novamente. Continue reading “Balance”

O portal (Parte VI) – Polymel

Para sua grande desilusão, de madrugada encontrou, embora na posição em que tinham adormecido, a fera de pelo negro. Não queria mexer-se para não a acordar sem antes decidir como lidar com ela, mas a dormência nas pernas e as pontadas nas costas impeliram-no a afagar-lhe o dorso, numa tentativa de estabelecer algum contacto agradável entre os dois.

Em vão. O animal abriu os dois enormes olhos negros, com o familiar brilho faminto, e lançou-lhe um rosnar revoltado.

– Está bem, está bem! Come isto. – Atirou-lhe com uma mão de frutos secos para longe de si, de forma a poder levantar-se e esticar o corpo. Continue reading “O portal (Parte VI) – Polymel”

O portal (Parte V) – Németh

Caminhava pesaroso ao longo da ilha, tentando descortinar uma forma de entrar em comunicação com a sua terra. O velho sábio era a única pessoa ciente do seu paradeiro, pelo que não podia esperar que fosse ele a dar pela sua ausência.

Inquietava-se por Ingrid, já pouco devota aos estudos quando o tinha por perto, menos ainda quando tinha de ausentar-se ou quando algo a apoquentava. Gostava de ter uma forma de lhe falar, de a avisar que estava a tentar encontrar como regressar para junto dela, mas sabia ser impossível. Tinha, mesmo, de encontrar um meio para sair dali. Continue reading “O portal (Parte V) – Németh”

Create a free website or blog at WordPress.com.

Up ↑